Numa hierarquia de narradores, o Galvão Bueno, amado e odiado por nove entre dez torcedores, ainda é a voz da Globo nas principais transmissões esportivas.

Na Copa do Mundo da Rússia, Galvão Bueno narrou pouco, fez a abertura e o encerramento (final entre Croácia e França) e os jogos do Brasil.

Considerado o número 2, Cléber Machado, perdeu um posto durante o torneio para o Luís Roberto, que com uma narração recheada de humor e vibrante colocou o ”sucessor” do Galvão de escanteio.

Cléber Machado não ficou chateado de ter perdido o posto. Ontem, (15), ele participou do Zona Mista, do SPORTV, com humor e sacadas ótimas.

A Globo vai promover rodízios entre os narradores, Milton Leite, Luiz Carlos Jr e Gustavo Villani vão aos poucos assumir as principais transmissões esportivas do Grupo Globo, sem status de ”o cara que vai substituir o Galvão”.

Galvão disse que não sabe se narrará a próxima Copa do Mundo, que será no Quatar em 2022. Até lá, muita bola vai rolar, muito jogo acontecerá: Neymar vai cair e simular muitos pênaltis (haja, coração) e tomara que o Tite continue como técnico. É uma torcida do site.

Guilherme Beraldo
Jornalista, crítico de TV e ator. Já participei dos seguintes programas: A Tarde é Sua e Manhã Maior na RedeTV, na Gazeta do "Mulheres", Versátil e Atual e Conexão com Zé Américo na CNT. Apaixonado por programas de auditório e musicais.